Blog

9 maio

A cura do mundo

 

Existe uma cura para as doenças modernas? O que esta por trás do aumento vertiginoso e exponencial das  doenças no mundo? O que sustenta e alimenta este processo?
Pois bem, a solução pode estar bem na sua frente e, talvez, você não tenha se dado conta. E o melhor de tudo é que você não precisa gastar nada por isso, é de graça!
Vamos começar do início. Quando estamos trabalhando e envolvidos no dia a dia, acionamos o sistema autônomo (funciona sozinho), chamado sistema simpático, no qual são derramados, em nossa corrente circulatória, hormônios estimulantes como a adrenalina e a noradrenalina. Estes hormônios excitam nossa mente e o nosso corpo, colocando-nos em um modo de funcionamento acelerado que estimula a ansiedade e a agitação mental.
Acontece que este sistema não se desliga sozinho, caso você não tenha momentos de relaxamento e descompressão, ele seguirá agindo em seu organismo o dia todo, inclusive durante o sono. Sendo, aliás, um dos principais motivos da perda da qualidade no sono.
Aqui, chegamos ao âmago da questão, ao viver em um “continuum”, no qual todas as suas tarefas diárias são realizadas em uma mesma velocidade e “modus operandi”, você afeta, duramente, os 3 pilares essenciais da saúde: sono, alimentação e atividade física. Esses pilares tendem a ficar em um lugar insignificante em nossa lista de prioridades, quando, na verdade, deveriam ocupar um lugar de destaque. As pessoas vivem correndo e esquecem de si mesmas.
Bingo! Chegamos, então, à principal causa de todas as doenças modernas, quais sejam: doenças cardíacas, obesidade, diabetes, doenças circulatórias, autoimunes, mentais e tantas outras. Nenhuma enfermidade moderna escapa a esta lógica e causa primordial. Os desequilíbrios corporais e mentais que não são congênitos, ou seja, que não lhe acompanham desde seu nascimento, são derivados desse desequilíbrio na base da vida. Parece que todo mundo se esqueceu que o nosso sistema imunológico é o mecanismo mais poderoso e perfeito no combate e prevenção a todas as doenças.
Então, quais são os “remédios” que fortalecem este sistema? A atividade física é um dos fatores mais importantes. Quando equilibrada, ela “joga a favor” da sua saúde, fortalecendo e restaurando todo seu sistema orgânico. No entanto, quando feita de forma extenuante tem o efeito inverso, causa envelhecimento precoce, aumenta o número de radicais livres, o risco de lesões ortopédicas, arritmias cardíacas e fragiliza o sistema imunológico.
Outros “remédios” importantes que complementam essa lista são:  um sono reparador e uma alimentação com qualidade. Podemos citar ainda o sol, a natureza, o equilíbrio entre trabalho e diversão e um estilo de vida que traga equilíbrio físico, mental, emocional e espiritual.
Quando se fala de saúde, constatamos que a prevenção, praticamente, não existe, não dá ibope. Na realidade, o que temos é um “Ministério da doença”, ou você acredita que exista um investimento relevante em prevenção na saúde pública em nosso país? Mal damos conta da doença, o que dirá da saúde.
Caso o governo, realmente, investisse em saúde e prevenção, economizaríamos bilhões anualmente. Por exemplo, em 2015, o Brasil gastou cerca de 72 bilhões de reais com a diabetes e suas complicações. (Fonte Revista Saúde, ed. 410)
Afinal, onde perdemos o fio da meada? Em que ponto da nossa história começamos a adotar um estilo de vida, extremamente acelerado, que nos consome e passa por cima de tudo? Por que estamos cegos e alheios às questões mais importantes da nossa vida? Por que insistimos em complicar a vida, tanto assim?
Nós resolveríamos a imensa maioria dos nossos problemas, apenas cuidando do nosso próprio equilíbrio físico, mental e fisiológico. Coisas básicas que as pessoas estão cansadas de escutar e saber, mas não trazem para a sua pratica diária.
Somos fruto daquilo que fazemos diariamente. Ficar doente, portanto, é uma conquista, há que se batalhar, arduamente e com afinco para, enfim, conquistar a sua doença, feita à custa de muito abandono e inconsciência.
Ao vivenciar um stress contínuo, sem pausas, você passa a viver em um estado de tensão permanente. Ao não desligar o sistema de alerta, você impacta a sua saúde e o seu equilíbrio integral. Buscar o motivo principal não é fácil, requer um exercício de analisar o que vem antes.

Veja, por exemplo, o caso da compulsão em comer, que é um fator comum à imensa maioria dos obesos. Este fator está, intimamente, associado à ansiedade e à aceleração mental. Qual a cura para isso? Respiração, silêncio e caminhada – que por sinal é um potente ansiolítico (mais potente do que qualquer ansiolítico já inventado). Eu não disse que era de graça?
O mundo externo nos puxa para fora. O segredo é voltar para dentro, para nosso refúgio, nossa casa primordial, o próprio corpo. A respiração é a porta de entrada para o nosso sistema autônomo, sendo assim, ao respirar profundamente, (nem é preciso meditar), por apenas 5 minutos, você irá desligar o sistema autônomo simpático, e acionar o sistema parassimpático, que produz hormônios de relaxamento, mudando, completamente, o seu estado físico e mental. Pronto! você acaba de desligar a “chavinha da ansiedade” e estará calm@, lucid@ e relaxad@.
Nós precisamos fazer o caminho de volta, colocar pausas, silêncios e respiros em nosso dia a dia. Essa é a cura do mundo! Não é à toa que o “Movimento Slow” (desacelerar a vida) se espalha por todos os setores, como o Slow- food, o Slow- education, o Slow- technology e tantos outros.
Através do Movimento treinamento consciente, venho propor uma espécie de “Slow- training”, uma volta ao simples e essencial, uma forma de treinamento saudável, inclusiva e mais eficiente.
Sim, a eficiência no treinamento está diretamente associada à moderação, pois a medida certa demanda um ritmo de transição exato. “Devagar e sempre”, este deveria ser o slogan mais popular do treinamento físico, infelizmente, ele não está muito em voga, ultimamente.
Até faz sentido, em uma sociedade estruturada na pressa e no imediatismo, o marketing ainda não aprendeu a vender a calma e a lentidão como uma vantagem. Eles ainda não perceberam que este é o antídoto e o bem mais precioso do nosso tempo.
Essa desaceleração funciona para tudo em sua vida, com calma, foco e paciência, tudo irá fluir melhor. Quer um exemplo? Trabalho como Coaching em mudanças de hábitos, qualidade de vida e treinamento integral há 34 anos. Há 3 meses, propus a um aluno para introduzir certas pausas e relaxamentos em sua rotina. Sugeri, então, que ele almoçaria mais devagar, em silêncio, sem celular e tiraria uma “siesta” de uns 15 minutos após as refeições.
Como resultado dessa experiência, enquanto todos voltam ao trabalho com sono e com dificuldade de concentração, ele está “voando”, com uma digestão leve, renovado e descansado. Outro dia, ele me disse: “Caramba, Nuno”! eu estou trabalhando muito menos do que trabalhava antes, coloquei mais pausas em meu dia, a caminhada no parque, os alongamentos e tudo mais e o resultado é que a minha produtividade dobrou.
Antes de iniciar a nossa consultoria, eu chegava em casa às 21h, comia de forma insana e dormia me sentindo pesado. O Resultado era que eu acordava sem fome e cansado, no dia seguinte, rendia bem menos no trabalho. Agora, chego em casa às 19h, faço uma refeição leve, vou dormir mais cedo, mudou tudo e rendo muito mais. Depois disso, passei a perceber que todos aqueles em minha equipe que fazem as coisas mais devagar, são os mais eficientes. Ao invés de ficarem acelerados, feito uma barata tonta, são mais efetivos e concentrados.”
Aqui se encontra o mais importante segredo da produtividade: equilibrar o seu estilo de vida e saber aplicar a arte da expansão e do recolhimento., toda a natureza segue este princípio tão fundamental. Veja o coração, exemplo de uma espantosa produtividade, ele consegue trabalhar, incansavelmente, por mais de cem anos. Na sístole, ele bombeia o sangue para todos os departamentos do corpo, na diástole ele relaxa, completamente.
A grande lição que ele nos oferece é que podemos trabalhar duro, trabalhar forte, mas, por outro lado, temos que ter um repouso profundo e eloquente. Esse órgão incrível nos ensina que a vida é feita de trabalho, mas também de pausa e de repouso.
Quanto mais o mundo se acelera, mais doente ele fica. Li, recentemente, que o auxílio-doença para transtornos mentais e emocionais aumentaram (pasmem!) em 20 vezes nos últimos dez anos. (Fonte Elemídia)
O consumo e a tecnologia adoecem o animal humano. A nossa herança evolutiva não nos preparou para o excesso de conforto, comida, e informação. Esses excessos estão nos matando, lentamente, de uma forma discreta e quase imperceptível.
A cura do mundo passa por diversos fatores, como mais amor, tolerância, menos individualismo, mas em relação a todas as doenças modernas, um fator se sobressai: desacelerar é urgente, desacelerar é a mudança necessária para “quebrar a espinha dorsal” do aumento da insanidade no mundo.

*Alguns trechos dessa matéria foram extraídos do livro “O músculo da alma”.

“Este livro é um divisor de águas na maneira de entender o corpo e a saúde. Com ele, o professor Nuno afirma-se como um dos expoentes da renovação do treinamento corporal. Ao pensar o corpo de forma integral, ensina de maneira muito particular – unindo ciência e sabedorias milenares – a construir uma relação respeitosa e prazerosa com a prática física. Ele assume o. compromisso em transformar não só o corpo físico, mas a visão de mundo, a consciência, os valores. Um livro essencial para o conhecimento de si mesmo”
Thiago Machado, coaching e educador físico.

Saiba mais: https://nunocobrajr.com.br/livro/