Blog

7 nov

Manifeste o seu desejo de mudança

Que cultura é responsável por destruir vidas, de levar pessoas a morte porque pararam de comer? Como isso afeta a vida dos pais desses jovens? Que cultura é essa que inventa dietas da moda, enriquece seus criadores e, a longo prazo, engorda ainda mais quem as segue?

Que cultura inferniza e enlouquece milhões de pessoas que sofrem de transtornos alimentares? Que cultura é essa, enfim, que leva as pessoas a odiarem o seu próprio corpo?

Qual mentalidade reprime o seu apetite e, ainda por cima, cria oportunidade para a indústria farmacêutica faturar bilhões de dólares vendendo inibidores de apetite?

Que distorção leva a máquina norte americana do consumo a inventar métodos de treinamento expulsivos que torturam e lesionam os alunos na academia de ginástica e levam a maioria das pessoas a odiarem a atividade física?

Que dor é essa de não aceitar o próprio corpo e sofrer de uma depressão crônica complexa e de difícil tratamento, que já custou a vida de centenas de milhares de pessoas em todo o mundo?

Como um médico, do gabarito do Dr. Bumbum, tem mais 600 mil seguidores nas redes sociais?  e por que as cirurgias de “fundo de quintal” se multiplicam de forma assustadora? Que moda insana e extrema leva os alunos a desmaiar ou vomitar em uma sessão de treinamento?

Que tipo de inadequação leva as pessoas a deixarem de curtir a vida, normalmente, ou mesmo de amar, por terem vergonha do seu próprio corpo?

Bom, a lista completa de todas essas perguntas e respostas preenchem centenas de páginas de um estudo que durou 12 anos e resultou em um livro – “O músculo da alma”, e consequentemente em um manifesto – “O manifesto em defesa do corpo”.

Essa cultura misteriosa, da qual falo acima, é a cultura do corpo perfeito, do corpo em forma. Ou seria em uma fôrma? É um modelo autoritário aceito como padrão de beleza ideal.

A indústria do fitness nasceu com a missão de cuidar da sua saúde, mas, devido a interesses comerciais e mercadológicos, perdeu o rumo. Imagine uma cesta de maçãs onde uma maçã podre começa a contaminar todas as outras. Atualmente, grande parte dessa cesta já está contaminada e, quanto mais tempo demorarmos para encarar essa realidade, mais letal se tornará esse processo.

Afinal, como viemos parar aqui? como a indústria do corpo se tornou uma grave questão de saúde pública? Vou tentar espremer 12 anos de estudo em poucas linhas. Obviamente, não podemos generalizar, existem milhões de pessoas que se beneficiam através da indústria do fitness, mas, mesmo essas, podem se favorecer ao expandir a sua consciência em relação ao que fazem.

Devido ao fenômeno das academias, grande parte do treinamento físico feito no mundo é o que podemos chamar de um treinamento estético, ou “treinamento cosmético”. Quanto mais pressa na busca do corpo perfeito, mais rápido você consome suas articulações e cartilagens. Saúde e performance são os dois extremos do treinamento físico. Na realidade, quanto mais nos aproximamos do espectro da performance, menos saudável é o treinamento. Conheço atletas que aos 30 anos de idade já passaram por uma dezena de cirurgias ortopédicas.

Quase tudo o que o grande público conhece como treinamento físico é uma forma muito específica de se conceber a saúde corporal. Essa visão é contaminada pela herança militar do treinamento e pelo lobby do Bodybuilding (o culto ao fortalecimento muscular). Os conceitos criados pelos Bodybuilders ou “marombeiros”, como são popularmente conhecidos, dominam o ambiente de treinamento. Eles já estavam lá quando a indústria do Fitness começou a florescer na década de 80.

Para os marombeiros, faz sentido sofrer e sentir dor no treinamento se isso se traduz em mais músculos no menor tempo possível. Aqui, se encontra a grande confusão, uma vez que esse modelo passou a ser indicado para todo o resto da população. O “fast-training,” a exemplo da fast-food, é igualmente nocivo à sua saúde e integridade corporal. Estrategicamente, o corpo foi transformado em um bem de consumo, uma “roupa”, que usamos como forma de aumentar o poder de sedução e o status social.

O fast-training não é indicado para mais de 90% da população, somando os sedentários, obesos, idosos, alunos com sobrepeso, alunos sem regularidade e alunos sem adaptação a esse modelo radical.

É uma filosofia que causa lesões e que enche os consultórios hoje em dia. A consequência mais comum ao adotar esta estratégia do “no pain, no gain” é uma lesão ou a desistência da atividade física.”

(Dr. Diego Leite de Barros, Fisiologista do Hospital do coração.)

Hoje, vemos nas academias, rotineiramente, milhões de jovens entre 14 e 35 anos, levantando cargas pesadas, seguindo fórmulas radicais de treinamento, tomando anabolizantes e destruindo de forma precoce a própria coluna e articulações. Tudo isso para estar em conformidade com esse padrão de beleza vendido pela indústria do fitness.

Pouco se fala sobre o impacto que o treinamento de alta intensidade representa ao nosso organismo. O fast-training implica em efeitos colaterais, como aumento dos radicais livres, envelhecimento precoce, riscos cardíacos, lesões ortopédicas, aumento de hormônios ligados ao estresse, como o cortisol, e um efeito depressor sobre o sistema imunológico, entre outras contraindicações, já bem relatadas e comprovadas em diversos estudos.

Hoje, podemos afirmar, com convicção: praticar o fast-training vai contra os princípios mais básicos da saúde corporal. O melhor exercício não é aquele que queima mais calorias, mas aquele que você gosta de fazer. Esse, sim, vai dar resultado. O salto mais essencial é desenvolver uma relação de prazer com a atividade corporal. Como isso seria possível com o enorme desconforto e sofrimento físico vivido no modelo atual?

Para ser efetiva a atividade física deve ser incorporada a uma rotina, esse é o grande segredo. Caso essa atividade seja prazerosa, lúdica e equilibrada, o desafio será muito mais acessível e convidativo para uma grande parcela da população. Porém é bom ressaltar que não existem vilões, somos vítimas e, ao mesmo tempo, mantenedores da cultura do corpo ideal.

O primeiro registro histórico do treinamento remonta a 3.000 a.C., quando o imperador e general chinês, Hong Ti, percebeu que treinar fisicamente seu exército seria uma vantagem estratégica. O treinamento corporal nasceu como uma prática militar e esses conceitos fundaram a própria escola da educação física no mundo. Não é fácil mudar algo que se mantém hegemônico há mais 5 mil anos. Só com a união de todos, academias, professores, mercado, mídias, e através de campanhas consistentes, podemos transformar essa cultura.

Para ajudar a mudar esse cenário, leia o primeiro Manifesto que explica como nasceu a indústria do corpo perfeito e qual o seu impacto na saúde pública. Não podemos apoiar uma cultura que é nociva à nossa saúde corporal. Saiba mais em: Manifesto em defesa do corpo. Manifeste o seu desejo de mudança!

Mas existe luz no fim do túnel, depois de 34 anos de envolvimento com a educação do campo da preparação física – luta que começou a 65 anos com meu pai, Nuno Cobra- não receio de dizer que, com o tempo, a saúde e a consciência irão se sobrepor a dor e a cultura que mata.

Recentemente recebi mensagem de uma enfermeira, Nilza Assad, com um comentário singelo que me emocionou. Foi como uma carta de alforria contra o abusivo marketing de consumo do corpo perfeito. Ela escreveu :

“Já li, reli e estou relendo novamente o seu manifesto ….Não me canso de absorver tudo que você escreveu. Sensacional! , estou me aceitando e aceitando meu corpo desde então. ….MIL VEZES Obrigada por seus esclarecimentos!!!!”

(Nilza Assad, 42 anos, enfermeira)

Nuno Cobra Júnior

* Este texto foi publicado na revista Veja em 5/09/18, com pequenas mudanças pontuais.